ANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS

2. Análise Horizontal e Vertical
Uma das técnicas mais simples de aplicação e, ao mesmo tempo, mais importantes no que se refere à riqueza das informações geradas para a avaliação do desempenho empresarial refere-se à análise horizontal e vertical.
A análise de uma empresa é desenvolvida por meio de comparações, sejam elas efetuadas por índices passados ou mediante indicadores setoriais e de empresas concorrentes. A análise comparativa produz melhores resultados quando desenvolvida com valores relacionáveis ou afins:
a) sejam eles obtidos de uma mesma demonstração contábil como, por exemplo, relacionar lucro com investimento, custos com vendas, capital de giro com ativo total etc.;
b) e também pela evolução dos diversos montantes patrimoniais e de resultados ao longo do tempo, como, por exemplo: crescimento das vendas e dos lucros, evolução/involução do patrimônio líquido etc. A análise da evolução permite que sejam identificadas, inclusive, determinadas tendências futuras do comportamento econômico-financeiro da empresa.
Dessa maneira, as comparações dos valores absolutos através do tempo (análise de suas evoluções) e, entre si, relacionáveis na mesma demonstração, são desenvolvidas, respectivamente, por análise horizontal e vertical.

2.1. Análise Horizontal
A Análise Horizontal consiste em verificar a evolução dos elementos do Balanço Patrimonial e da DRE (Demonstração do Resultado do Exercício) durante um determinado período. Essa verificação se faz entre os valores de uma mesma conta ou grupo de contas, evidenciando a evolução da conta ou do grupo de conta por períodos.
Uma das maneiras de apurar os percentuais de evolução da Análise Horizontal é tomar como base um exercício e calcular a evolução dos demais, sempre em relação ao exercício base.
A outra maneira de apurar os percentuais de evolução da Análise Horizontal é tomar como base o exercício imediatamente anterior ao que está sendo analisado. Esse método torna mais dinâmico a análise, possibilitando apurar a evolução em menores períodos de tempo.
À relação existente entre o valor de uma conta contábil (ou grupo de contas) em determinada data e seu valor obtido na data-base (ou ano-base) chamamos de Número-índice.
Número-índice = Valor ano seguinte x 100
Valor ano-base

EMBRAER
DEMONSTRATIVO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO 2.010 2.009
VENDAS BRUTAS 9.751,5 11.324,3
(-) DEVOLUÇÕES/CANCELAMENTOS/ABATIMENTOS – –
(-) IMPOSTOS (ICMAS/PIS/COFINS) (370,9) (453,0)
(=) VENDAS LÍQUIDAS 9.380,6 10.871,3
(-) CPV (7.582,7) (8.759,5)
(=) LUCRO BRUTO 1.798,0 2.111,8
(-) DESPESAS ADMINISTRATIVAS (346,1) (376,2)
(-) DESPESAS COMERCIAIS (657,0) (601,1)
(-) DESPESAS FINANCEIRAS (1,4) (135,8)
(-) DESPESAS GERAIS (109,4) (367,7)
(+) RECEITAS FINANCEIRAS 30,9 16,3
(=) LUCRO OPERACIONAL 715,1 647,2
(-) DESPESAS NÃO OPERACIONAIS – –
(+) RECEITAS NÃO OPERACIONAIS – –
(=) LUCRO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA 715,1 647,2
(-) PROVISÃO DE IR (114,9) 290,1
(-) PROVISÃO DE CSSL – –
(-) OUTRAS PROVISÕES – –
(=) LUCRO LÍQUIDO APÓS IR 600,2 937,3
BALANÇO PATRIMONIAL
2010 2009 2010 2009
ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE
DISPONÍVEL
CAIXA/BANCOS 2.321,2 2.772,6 FORNECEDOR 1.250,0 1.038,3
A.L.I. 1.222,2 1.660,8 SALÁRIOS E ENCARGOS SOCIAIS 132,5 113,0
IMPOSTOS A PAGAR 16,7 23,6
SUB-TOTAL DISPONÍVEL 3.543,4 4.433,4 DIVIDENDOS A PAGAR 82,3 208,3
CLIENTES DUPLICATAS A PAGAR 0,0 0,0
DUPLICATAS A REC 0,0 0,0 EMPRESTIMOS A PAGAR CP 307,2 1.268,2
CONTAS A REC 1.104,3 1.146,0 CONTAS A PAGAR 2.191,5 2.137,8
(-) PDD 0,0 0,0
SUB-TOTALCLIENTES 1.104,3 1.146,0

ESTOQUE 3.654,6 4.246,0
(-) 0BSOLETO 0,0 0,0
SALDO DE ESTOQUE 3.654,6 4.246,0

TOTAL DO ATIVO CIRCULANTE 8.302,3 9.825,4 TOTAL DO PASSIVO CIRCULANTE 3.980,3 4.789,2
ATIVO NÃO CIRCULANTE PASSIVO NÃO CIRCULANTE
TOTAL REALIZÁVEL A L.P. 2.484,1 2.472,3 TOTAL DO ELP 4.783,0 5.669,5

INVESTIMENTO 0,0 0,0 CAPITAL SOCIAL 4.789,6 4.789,6
IMOBILIZADO 2.001,1 1.917,6 RESERVAS -1.623,9 -1.404,0
(-) DEPRECIAÇÃO 0,0 0,0 AÇÕES EM TESOURARIA -320,3 -320,3
DIFERIDO 1.193,5 1.263,2 L/P ACUMULADO 2.372,3 1.954,4
INTANGÍVEL 0,0 0,0
TOTAL ATIVO PERMANENTE 3.194,6 3.180,8 TOTAL DO PL 5.217,8 5.019,8

TOTAL DO ATIVO 13.981,0 15.478,5 PASSIVO TOTAL 13.981,0 15.478,5

Fórmulas para cálculo da Análise Horizontal:

Ano base = 2009

DRE – Demonstrativo do Resultado do Exercício

Período = 2009
VB2009 = (VB2009/VB2009) * 100%
IMPOSTOS2009 = (IMPOSTOS2009/IMPOSTOS2009) * 100%
VL2009 = (VL2009/VL2009) * 100%
CPV2009 = (CPV2009/CPV2009) * 100%
LB2009 = (LB2009/LB2009) * 100%
E assim por diante para demais contas do DRE.

Período = 2010
VB2010 = (VB2010/VB2009) * 100%
IMPOSTOS2010 = (IMPOSTOS2010/IMPOSTOS2009) * 100%
VL2010 = (VL2010/VL2009) * 100%
CPV2010 = (CPV2010/CPV2009) * 100%
LB2010 = (LB2010/LB2009) * 100%
E assim por diante para demais contas do DRE.

Por exemplo:
EMBRAER AH
DEMONSTRATIVO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO 2.010 2.009 2.010 2.009
VENDAS BRUTAS (VB) 9.751,5 11.324,3 86,11% 100,00%
(-) DEVOLUÇÕES/CANCELAMENTOS/ABATIMENTOS
(-) IMPOSTOS (ICMAS/PIS/COFINS) (370,9) (453,0) 81,86% 100,00%
(=) VENDAS LÍQUIDAS (VL) 9.380,6 10.871,3 86,29% 100,00%
(-) CPV (7.582,7) (8.759,5) 86,57% 100,00%
(=) LUCRO BRUTO 1.798,0 2.111,8 85,14% 100,00%
(-) DESPESAS ADMINISTRATIVAS (346,1) (376,2) 91,99% 100,00%
(-) DESPESAS COMERCIAIS (657,0) (601,1) 109,30% 100,00%
(-) DESPESAS FINANCEIRAS (1,4) (135,8) 0,99% 100,00%
(-) DESPESAS GERAIS (109,4) (367,7) 29,74% 100,00%
(+) RECEITAS FINANCEIRAS 30,9 16,3 189,47% 100,00%
(=) LUCRO OPERACIONAL 715,1 647,2 110,48% 100,00%
(-) DESPESAS NÃO OPERACIONAIS
(+) RECEITAS NÃO OPERACIONAIS
(=) LUCRO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA 715,1 647,2 110,48% 100,00%
(-) PROVISÃO DE IR (114,9) 290,1 -39,61% 100,00%
(-) PROVISÃO DE CSSL
(-) OUTRAS PROVISÕES
(=) LUCRO LÍQUIDO APÓS IR 600,2 937,3 64,03% 100,00%

Interpretação:
Considerando o ano de 2009 como sendo ano base, teremos as seguintes variações:
VB teve uma redução de 13,89%; os impostos reduziram em 18,14%; as VL reduziram em 13,71%; o CPV teve queda de 13,43% e assim por diante.

Ano base = 2009

BP – Balanço Patrimonial

Período = 2009
CX/BCOS2009 = (CX/BCOS2009/CX/BCOS2009) * 100%
ALI2009 = (ALI2009/ALI2009) *100%
DUPLIC.REB2009 = (DUPLIC.REC2009/DUPLIC.REC2009) * 100%
IMOBIL2009 = (IMOBIL2009/IMOBIL2009) * 100%
FORN2009 = (FORN2009/FORN2009) * 100%
EMPREST.CP2009 = (EMPREST.CP2009/EMPREST.CP2009) * 100%
CAP.SOCIAL2009 = (CAP.SOCIAL2009/CAP.SOCIAL2009) * 100%
E assim por diante para demais contas do Balanço patrimonial.

Período = 2010
CX/BCOS2010 = (CX/BCOS2010/CX/BCOS2009) * 100%
ALI2010 = (ALI2010/ALI2009) *100%
DUPLIC.REB2010 = (DUPLIC.REC2010/DUPLIC.REC2009) * 100%
IMOBIL2010 = (IMOBIL2010/IMOBIL2009) * 100%
FORN2010 = (FORN2010/FORN2009) * 100%
EMPREST.CP2010 = (EMPREST.CP2010/EMPREST.CP2009) * 100%
CAP.SOCIAL2010 = (CAP.SOCIAL2010/CAP.SOCIAL2009) * 100%
E assim por diante para demais contas do Balanço patrimonial.
Por exemplo:
EMBRAER BALANÇO PATRIMONIAL AH
2.010 2.009 2.010 2.009 ATIVO PASSIVO
ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE 2.010 2.009 2.010 2.009
DISPONÍVEL
CAIXA/BANCOS 2.321,2 2.772,6 FORNECEDOR 1.250,0 1.038,3 83,72% 100,00% 120,39% 100,00%
A.L.I. 1.222,2 1.660,8 SALÁRIOS E ENCARGOS SOCIAIS 132,5 113,0 73,59% 100,00% 117,32% 100,00%
IMPOSTOS A PAGAR 16,7 23,6 70,53% 100,00%
SUB-TOTAL DISPONÍVEL 3.543,4 4.433,4 DIVIDENDOS A PAGAR 82,3 208,3 79,92% 100,00% 39,53% 100,00%
CLIENTES DUPLICATAS A PAGAR
DUPLICATAS A REC EMPRESTIMOS A PAGAR CP 307,2 1.268,2 24,22% 100,00%
CONTAS A REC 1.104,3 1.146,0 CONTAS A PAGAR 2.191,5 2.138 96,37% 100,00% 102,51% 100,00%
(-) PDD
SUB-TOTALCLIENTES 1.104,3 1.146,0 96,37% 100,00%

ESTOQUE 3.654,6 4.246,0 86,07% 100,00%
(-) 0BSOLETO
SALDO DE ESTOQUE 3.654,6 4.246,0 86,07% 100,00%

TOTAL DO ATIVO CIRCULANTE 8.302,3 9.825,4 TOTAL DO PASSIVO CIRCULANTE 3.980,3 4.789,2 84,50% 100,00% 83,11% 100,00%
ATIVO NÃO CIRCULANTE PASSIVO NÃO CIRCULANTE
TOTAL REALIZÁVEL A L.P. 2.484,1 2.472,3 TOTAL DO ELP 4.783,0 5.669,5 100,48% 100,00% 84,36% 100,00%

INVESTIMENTO 0,0 0,0 CAPITAL SOCIAL 4.789,6 4.789,6 88,89% 100,00% 100,00% 100,00%
IMOBILIZADO 2.001,1 1.917,6 RESERVAS (1.623,9) (1.404,0) 104,35% 100,00% 115,66% 100,00%
(-) DEPRECIAÇÃO AÇÕES EM TESOURARIA (320,3) (320,3) 100,00% 100,00%
DIFERIDO 1.193,5 1.263,2 L/P ACUMULADO 2.372,3 1.954,4 94,49% 100,00% 121,38% 100,00%
(-) AMORTIZAÇÃO
TOTAL ATIVO PERMANENTE 3.194,6 3.180,8 TOTAL DO PL 5.217,8 5.019,8 100,43% 100,00% 103,94% 100,00%

TOTAL DO ATIVO 13.981,0 15.478,5 PASSIVO TOTAL 13.981,0 15.478,5 90,33% 100,00% 90,33% 100,00%

Interpretação:
Considerando o ano de 2009 como sendo ano base, teremos as seguintes variações:
O caixa/bancos teve uma redução de 16,28%; os estoques reduziram em 13,93%; contas a pagar aumentou em 2,51%; LP acumulado aumentou em 21,38% e assim por diante.

A análise horizontal é uma análise da evolução, crescimento ou diminuição, que permite identificar a variação positiva ou negativa de um período em relação ao anterior. Toma-se como 100% todas as contas de um determinado período e faz-se uma relação percentual em cima dos dados desse período. O novo número relativo indica quanto o período subsequente é maior ou menor que o período anterior. Como é comum utilizar vários períodos, a variação sequencial e consecutiva acaba indicando uma tendência de crescimento ou diminuição.

2.2. Análise Vertical
A Análise Vertical, também denominada análise da estrutura, facilita a avaliação da estrutura das demonstrações financeiras (BP-Balanço Patrimonial e DRE-Demonstrativo do Resultado do Exercício) e a representatividade de cada conta em relação ao total do Ativo, bem como a participação de cada conta do Demonstrativo de resultado na formação do lucro ou prejuízo do período analisado.
A Análise Vertical apresenta valores percentuais de cada conta e grupo de conta em relação a um valor base: no caso do Balanço Patrimonial, esse valor base é o total do Ativo ou do Passivo; Na DRE, o valor base é o total da receita líquida.
O cálculo do percentual da participação relativa das contas ou grupo de contas do Ativo obtém-se dividindo o valor de cada conta ou grupo de conta pelo valor total do Ativo.
O cálculo do percentual da participação relativo das contas ou grupo de contas da Demonstração de resultado é feito dividindo cada conta ou grupo de conta pelo valor da receita líquida.
EMBRAER
DEMONSTRATIVO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO 2.010 2.009
VENDAS BRUTAS 9.751,5 11.324,3
(-) DEVOLUÇÕES/CANCELAMENTOS/ABATIMENTOS – –
(-) IMPOSTOS (ICMAS/PIS/COFINS) (370,9) (453,0)
(=) VENDAS LÍQUIDAS 9.380,6 10.871,3
(-) CPV (7.582,7) (8.759,5)
(=) LUCRO BRUTO 1.798,0 2.111,8
(-) DESPESAS ADMINISTRATIVAS (346,1) (376,2)
(-) DESPESAS COMERCIAIS (657,0) (601,1)
(-) DESPESAS FINANCEIRAS (1,4) (135,8)
(-) DESPESAS GERAIS (109,4) (367,7)
(+) RECEITAS FINANCEIRAS 30,9 16,3
(=) LUCRO OPERACIONAL 715,1 647,2
(-) DESPESAS NÃO OPERACIONAIS – –
(+) RECEITAS NÃO OPERACIONAIS – –
(=) LUCRO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA 715,1 647,2
(-) PROVISÃO DE IR (114,9) 290,1
(-) PROVISÃO DE CSSL – –
(-) OUTRAS PROVISÕES – –
(=) LUCRO LÍQUIDO APÓS IR 600,2 937,3
BALANÇO PATRIMONIAL
2010 2009 2010 2009
ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE
DISPONÍVEL
CAIXA/BANCOS 2.321,2 2.772,6 FORNECEDOR 1.250,0 1.038,3
A.L.I. 1.222,2 1.660,8 SALÁRIOS E ENCARGOS SOCIAIS 132,5 113,0
IMPOSTOS A PAGAR 16,7 23,6
SUB-TOTAL DISPONÍVEL 3.543,4 4.433,4 DIVIDENDOS A PAGAR 82,3 208,3
CLIENTES DUPLICATAS A PAGAR 0,0 0,0
DUPLICATAS A REC 0,0 0,0 EMPRESTIMOS A PAGAR CP 307,2 1.268,2
CONTAS A REC 1.104,3 1.146,0 CONTAS A PAGAR 2.191,5 2.137,8
(-) PDD 0,0 0,0
SUB-TOTALCLIENTES 1.104,3 1.146,0

ESTOQUE 3.654,6 4.246,0
(-) 0BSOLETO 0,0 0,0
SALDO DE ESTOQUE 3.654,6 4.246,0

TOTAL DO ATIVO CIRCULANTE 8.302,3 9.825,4 TOTAL DO PASSIVO CIRCULANTE 3.980,3 4.789,2
ATIVO NÃO CIRCULANTE PASSIVO NÃO CIRCULANTE
TOTAL REALIZÁVEL A L.P. 2.484,1 2.472,3 TOTAL DO ELP 4.783,0 5.669,5

INVESTIMENTO 0,0 0,0 CAPITAL SOCIAL 4.789,6 4.789,6
IMOBILIZADO 2.001,1 1.917,6 RESERVAS -1.623,9 -1.404,0
(-) DEPRECIAÇÃO 0,0 0,0 AÇÕES EM TESOURARIA -320,3 -320,3
DIFERIDO 1.193,5 1.263,2 L/P ACUMULADO 2.372,3 1.954,4
INTANGÍVEL 0,0 0,0
TOTAL ATIVO PERMANENTE 3.194,6 3.180,8 TOTAL DO PL 5.217,8 5.019,8

TOTAL DO ATIVO 13.981,0 15.478,5 PASSIVO TOTAL 13.981,0 15.478,5

Fórmulas para cálculo da Análise Vertical

DRE – Demonstrativo do Resultado do Exercício

Período = 2009
VB2009 = (VB2009/VL2009) * 100%
IMPOSTOS2009 = (IMPOSTOS2009/VL2009) * 100%
VL2009 = (VL2009/VL2009) * 100%
CPV2009 = (CPV2009/VL2009) * 100%
LB2009 = (LB2009/VL2009) * 100%
E assim por diante para demais contas do DRE.

Período = 2010
VB2010 = (VB2010/VL2010) * 100%
IMPOSTOS2010 = (IMPOSTOS2010/VL2010) * 100%
VL2010 = (VL2010/VL2010) * 100%
CPV2010 = (CPV2010/VL2010) * 100%
LB2010 = (LB2010/VL2010) * 100%
E assim por diante para demais contas do DRE.

Por exemplo:
EMBRAER AV
DEMONSTRATIVO DO RESULTADO DO EXERCÍCIO 2.010 2.009 2.010 2.009
VENDAS BRUTAS 9.751,5 11.324,3 103,95% 104,17%
(-) DEVOLUÇÕES/CANCELAMENTOS/ABATIMENTOS
(-) IMPOSTOS (ICMAS/PIS/COFINS) (370,9) (453,0) -3,95% -4,17%
(=) VENDAS LÍQUIDAS 9.380,6 10.871,3 100,00% 100,00%
(-) CPV (7.582,7) (8.759,5) -80,83% -80,57%
(=) LUCRO BRUTO 1.798,0 2.111,8 19,17% 19,43%
(-) DESPESAS ADMINISTRATIVAS (346,1) (376,2) -3,69% -3,46%
(-) DESPESAS COMERCIAIS (657,0) (601,1) -7,00% -5,53%
(-) DESPESAS FINANCEIRAS (1,4) (135,8) -0,01% -1,25%
(-) DESPESAS GERAIS (109,4) (367,7) -1,17% -3,38%
(+) RECEITAS FINANCEIRAS 30,9 16,3 0,33% 0,15%
(=) LUCRO OPERACIONAL 715,1 647,2 7,62% 5,95%
(-) DESPESAS NÃO OPERACIONAIS
(+) RECEITAS NÃO OPERACIONAIS
(=) LUCRO ANTES DO IMPOSTO DE RENDA 715,1 647,2 7,62% 5,95%
(-) PROVISÃO DE IR (114,9) 290,1 -1,22% 2,67%
(-) PROVISÃO DE CSSL
(-) OUTRAS PROVISÕES
(=) LUCRO LÍQUIDO APÓS IR 600,2 937,3 6,40% 8,62%

Interpretação:
O CPV representava 80,57% sobre as vendas em 2009, já em 2010 passou a representar 80,83%, portanto apresentou um aumento de 0,32% em 2010, ou seja, os custos aumentaram.
O lucro bruto representava 19,43% sobre as vendas em 2009, e em 2010 passou a representar 19,17%, portanto apresentou uma queda de 1,34% em 2010, ou seja, o lucro bruto diminuiu.
As despesas financeiras representavam 1,25% sobre as vendas em 2009, e em 2010 passou a representar 0,01%, portanto apresentou uma queda de 99,20% em 2010, ou seja, as despesas financeiras diminuíram. E assim por diante.

BP – Balanço Patrimonial

Período = 2009
CX/BCOS2009 = (CX/BCOS2009/ATIVO TOTAL2009) * 100%
ALI2009 = (ALI2009/ ATIVO TOTAL2009) *100%
DUPLIC.REB2009 = (DUPLIC.REC2009/ ATIVO TOTAL2009) * 100%
IMOBIL2009 = (IMOBIL2009/ ATIVO TOTAL2009) * 100%
FORN2009 = (FORN2009/ ATIVO TOTAL2009) * 100%
EMPREST.CP2009 = (EMPREST.CP2009/ ATIVO TOTAL2009) * 100%
CAP.SOCIAL2009 = (CAP.SOCIAL2009/ ATIVO TOTAL2009) * 100%
E assim por diante para demais contas do Balanço patrimonial.

Período = 2010
CX/BCOS2010 = (CX/BCOS2010/ATIVO TOTAL2010) * 100%
ALI2010 = (ALI2010/ ATIVO TOTAL2010) *100%
DUPLIC.REB2010 = (DUPLIC.REC2010/ ATIVO TOTAL2010) * 100%
IMOBIL2010 = (IMOBIL2010/ ATIVO TOTAL2010) * 100%
FORN2010 = (FORN2010/ ATIVO TOTAL2010) * 100%
EMPREST.CP2010 = (EMPREST.CP2010/ ATIVO TOTAL2010) * 100%
CAP.SOCIAL2010 = (CAP.SOCIAL2010/ ATIVO TOTAL2010) * 100%
E assim por diante para demais contas do Balanço patrimonial

Por exemplo:
EMBRAER BALANÇO PATRIMONIAL AV
2.010 2.009 2.010 2.009 ATIVO PASSIVO
ATIVO CIRCULANTE PASSIVO CIRCULANTE 2.010 2.009 2.010 2.009
DISPONÍVEL
CAIXA/BANCOS 2.321,2 2.772,6 FORNECEDOR 1.250,0 1.038,3 16,60% 17,91% 8,94% 6,71%
A.L.I. 1.222,2 1.660,8 SALÁRIOS E ENCARGOS SOCIAIS 132,5 113,0 8,74% 10,73% 0,95% 0,73%
IMPOSTOS A PAGAR 16,7 23,6 0,00% 0,00% 0,12% 0,15%
SUB-TOTAL DISPONÍVEL 3.543,4 4.433,4 DIVIDENDOS A PAGAR 82,3 208,3 25,34% 28,64% 0,59% 1,35%
CLIENTES DUPLICATAS A PAGAR 0,00% 0,00% 0,00% 0,00%
DUPLICATAS A REC EMPRESTIMOS A PAGAR CP 307,2 1.268,2 0,00% 0,00% 2,20% 8,19%
CONTAS A REC 1.104,3 1.146,0 CONTAS A PAGAR 2.191,5 2.138 7,90% 7,40% 15,68% 14,16%
(-) PDD 0,00% 0,00% 0,00% 0,00%
SUB-TOTALCLIENTES 1.104,3 1.146,0 7,90% 7,40% 0,00% 0,00%
0,00% 0,00% 0,00% 0,00%
ESTOQUE 3.654,6 4.246,0 26,14% 27,43% 0,00% 0,00%
(-) 0BSOLETO 0,00% 0,00% 0,00% 0,00%
SALDO DE ESTOQUE 3.654,6 4.246,0 26,14% 27,43% 0,00% 0,00%
0,00% 0,00% 0,00% 0,00%
TOTAL DO ATIVO CIRCULANTE 8.302,3 9.825,4 TOTAL DO PASSIVO CIRCULANTE 3.980,3 4.789,2 59,38% 63,48% 28,47% 30,94%
ATIVO NÃO CIRCULANTE PASSIVO NÃO CIRCULANTE
TOTAL REALIZÁVEL A L.P. 2.484,1 2.472,3 TOTAL DO ELP 4.783,0 5.669,5 17,77% 15,97% 34,21% 36,63%
0,00% 0,00% 0,00% 0,00%
INVESTIMENTO 0,0 0,0 CAPITAL SOCIAL 4.789,6 4.789,6 0,00% 0,00% 34,26% 30,94%
IMOBILIZADO 2.001,1 1.917,6 RESERVAS (1.623,9) (1.404,0) 14,31% 12,39% -11,62% -9,07%
(-) DEPRECIAÇÃO AÇÕES EM TESOURARIA (320,3) (320,3) 0,00% 0,00% -2,29% -2,07%
DIFERIDO 1.193,5 1.263,2 L/P ACUMULADO 2.372,3 1.954,4 8,54% 8,16% 16,97% 12,63%
(-) AMORTIZAÇÃO
TOTAL ATIVO PERMANENTE 3.194,6 3.180,8 TOTAL DO PL 5.217,8 5.019,8 22,85% 20,55% 37,32% 32,43%
0,00% 0,00% 0,00% 0,00%
TOTAL DO ATIVO 13.981,0 15.478,5 PASSIVO TOTAL 13.981,0 15.478,5 100,00% 100,00% 100,00% 100,00%

Interpretação:
O Caixa/bancos representava 17,91% sobre o ativo total em 2009, já em 2010 passou a representar 16,60%, portanto apresentou uma queda de 7,31% em 2010, ou seja, tem menos dinheiro em caixa/banco.
O Imobilizado representava 12,39% sobre o ativo total em 2009, e em 2010 passou a representar 14, 31%, portanto apresentou um aumento de 15,50%, ou seja, aumentou o imobilizado nesse período.
O empréstimo de CP representava 8,19% sobre o ativo total em 2009, e em 2010 passou a representar 2,20%, portanto apresentou uma redução de 73,14%, ou seja, a empresa reduziu o nível de empréstimo de CP no período. E assim por diante.

Denominamos análise vertical a análise de participação percentual ou de estrutura dos elementos das demonstrações contábeis. Assume-se como 100% um determinado elemento patrimonial que, em princípio, deve ser o mais importante e faz-se uma relação percentual de todos os demais elementos sobre ele.
Para o balanço patrimonial, convencionou-se adotar como 100% o total do ativo. Para a demonstração de resultados, convencionou-se adotar como 100% o valor do total da receita de vendas, líquida dos impostos, denominada legalmente de receita/venda operacional líquida.
A análise vertical da demonstração de resultados é muito mais significativa do que a do balanço patrimonial, pois, pelo fato de atribuir 100% à receita operacional, permite uma visão da estrutura de custos e despesas da empresa, em termos de média sobre as vendas. Essa análise deve se explorada ao máximo, pois permite extrair informações muito úteis.
Com relação à análise vertical da demonstração de resultados, os resultados da participação percentual por si só são representativos para a própria empresa. Mais do que a comparabilidade, mensuram a estrutura de custos em relação às receitas, bem como as margens de lucratividade (margem bruta, margem operacional, margem líquida). Além disso, a comparabilidade também se torna significativa, já que as variações entre um período e outro evidenciam o andamento das operações.
A análise vertical do balanço patrimonial é feita assumindo como 100% o total geral do ativo, calculando-se quanto representa cada elemento patrimonial em relação ao total, obtendo-se, assim, a estrutura de participação dos elementos no ativo total.
Como a maior parte do ferramental da análise financeira, a utilização da análise vertical do balanço patrimonial presta-se a análises comparativas com os dados da própria empresa de outros períodos, sejam passados ou futuros. Pela identificação das mudanças significativas nos percentuais da estrutura de participação, tem-se a possibilidade de identificar as causas que levaram a essas variações.

2.3. Conclusão e relação entre a análise vertical e horizontal
É importante ressaltar que a análise vertical e horizontal deve ser feita em conjunto. Apesar de terem objetivos específicos, as inter-relações entre os elementos patrimoniais e a significância ou não dos valores devem ser levados sempre em conta. Um elemento patrimonial pode ter tido uma variação de crescimento ou diminuição extraordinária, mas a sua representatividade, considerando os demais elementos, sendo pequena, de nada adianta ressaltar essa variação. Por exemplo, uma conta de investimento que representa 0,2% do Ativo de uma empresa cresce 2.300% em dois anos ao final dos quais passa a representar 0,7%, ou seja: nada significa para a análise no primeiro balanço e continua a não significar nada no terceiro balanço, apesar do enorme crescimento.
É desejável que as conclusões baseadas na Análise Vertical sejam complementadas pelas da Análise Horizontal. Na Demonstração do Resultado pequeno percentual podem ser significativos, visto que o lucro líquido costuma representar também percentual muito pequeno em relação às vendas. Assim, pode ocorrer, por exemplo, que determinada despesa administrativa, que representa no primeiro ano 12% das vendas, passe para 18% daí a dois anos. A variação de 12% para 18% não chama a atenção do analista, porém uma Análise Horizontal poderia revelar ter havido variação de 50% (além do crescimento das vendas). Se as vendas tiverem crescimento de 140%, as despesas administrativas terão crescido 210%. Ao chamar a atenção do analista para um item que pode estar fora de controle, a Análise Horizontal estará cumprindo o seu papel. Em resumo, a Análise Vertical e a Análise Horizontal devem ser usadas como uma só técnica de análise; por isso a denominamos Análise Vertical /Horizontal.

Referências Bibliográficas:

ASSAF, N. A. Finanças Corporativas e valor. São Paulo: Atlas, 2003
MATARAZZO, D.C. Análise Financeira de Balanços: uma abordagem gerencial. São Paulo: Atlas, 2003.
PADOVEZE, C. Análise das demonstrações financeiras. São Paulo: Thomsom, 2004.

Risomar GusmãoAdministraçãoANÁLISE DAS DEMONSTRAÇÕES FINANCEIRAS 2. Análise Horizontal e Vertical Uma das técnicas mais simples de aplicação e, ao mesmo tempo, mais importantes no que se refere à riqueza das informações geradas para a avaliação do desempenho empresarial refere-se à análise horizontal e vertical. A análise de uma empresa é desenvolvida por...Rede  Facima